sábado, 27 de junho de 2015

CICLOVIA, CICLOFAIXA E CICLORROTA

Descubra a diferença dos espaços reservados para o ciclista pedalar pela cidade!!!


A presença de ciclistas no espaço público não é uma questão a se concordar ou não. É um direito garantido pela Constituição e pelo Código Nacional de Trânsito: ciclistas têm os mesmos direitos de veículos, motos, ônibus e caminhões de trafegarem pelas vias de uso comum.

Existem somente duas exceções a isso: vias que possuem um espaço exclusivo para ciclistas e vias onde há placas sinalizando a regulamentação de que esse modal é proibido, normalmente por serem vias expressas com altos limites de velocidade.

Onde não existem estas duas exceções, ou seja, a maior parte do espaço público de todas as cidades do Brasil, a lei é claraquando não houver ciclovia ou ciclofaixa, a via deve ser compartilhada (art. 58 do Código de Trânsito Brasileiro). Ou seja, bicicletas e carros podem e devem ocupar o mesmo espaço viário. Os veículos maiores devem prezar pela segurança dos menores (art. 29 § 2º), respeitando sua presença na via, seu direito de utilizá-la e a distância mínima de 1,5m ao ultrapassar as bicicletas (art. 201), diminuindo a velocidade ao fazer a ultrapassagem (art. 220 item XIII). Em contrapartida como todos os outros meios de transporte, ciclistas devem respeitar as leis de trânsito estabelecidas e regulamentadas.


Vamos à diferenciação de cada uma das modalidades de divisão ou compartilhamento do espaço público por ciclistas:

CICLOVIA
É um espaço reservado exclusivamente para o tráfego de bicicletas, e permite mais segurança ao ciclista. A separação do espaço é feita através do meio fio, grades, muretas, blocos de concreto, dentre outros. É encontrado em avenidas e vias expressas pois protege o ciclista do rápido e intenso trânsito.

CICLOFAIXA
A separação é feita por uma faixa demarcada na via (tendo no máximo “olhos de gato” ou “tartarugas”), indicando onde é mais seguro para o ciclista trafegar pela cidade. Está é indicada para locais onde o trânsito é calmo e é mais barata que a ciclovia, pois usa a própria estrutura da estrada.

As ciclofaixas podem ser válidas todos os dias da semana ou então aos finais de semana – caracterizadas como ciclofaixas de lazer (temporárias e têm sua estrutura removida após seu término).

CICLORROTA
As ciclorrotas são uma opção de informa o melhor trajeto para o ciclista, não sendo necessária uma demarcação especial para isso. Este formato facilita a informação dos melhores locais para pedalar.


Fazer entender que a rua é de todos e que o espaço público deve ser compartilhado é o grande caminho para uma cidade mais sustentável e melhor para se viver.


quarta-feira, 24 de junho de 2015

I Seminário Internacional Índice de Progresso Social IPS Comunidades

Só o dinheiro não basta para obter progresso social



A Coca-Cola Brasil promove, em parceria com a Natura, o I Seminário Internacional Índice de Progresso Social IPS Comunidades, em Manaus, nesta quarta-feira, 24 de junho, das 10h30 às 13h30 (horário de Brasília). O evento será transmitido ao vivo via streaming.


Durante o encontro, serão apresentados os resultados do IPS Comunidades, um mapeamento social inédito de comunidades do Território do Médio Juruá, no Amazonas. O estudo foi realizado com o apoio das duas empresas, que têm relacionamento comercial com comunidades fornecedoras de ativos da biodiversidade local. O IPS Comunidades foi desenvolvido e implementado a partir da metodologia do Índice de Progresso Social (IPS), concebida pelo economista americano Michael Porter para medir a performance social e ambiental das nações, independentemente do desenvolvimento econômico.

Palmeiras de Açaí: a renda média na região aumentou 50% nos últimos dois anos. 
créditos da imagem: Exame.com

Pioneiro no mundo ao utilizar dados primários para mensuração de desenvolvimento socioambiental a nível local, o IPS Comunidades reproduz com mais exatidão as necessidades e demandas das comunidades ouvidas. O índice foi elaborado no âmbito da rede #ProgressoSocialBrasil, com apoio técnico da empresa de pesquisa Ipsos.


O Seminário contará com a presença de Michael Green, diretor-executivo da Social Progress Imperative (SPI), organização criada por Porter para difundir o índice.

Acompanhe aqui o streaming do evento!!!


Confira a programação:

10h30 às 12h (horário de Brasília)
  • O IPS dos países do globo - Michael Green (Social Progress Imperative)
  • O IPS Amazônia - Beto Veríssimo (Imazon - Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia)
  • O IPS Comunidades - Graziela Castello (Ipsos)

12h às 13h30 (horário de Brasília)
  • Território Médio Juruá e geração de Valor Compartilhado - Pedro Massa (Diretor de Valor Compartilhado da Coca-Cola)
  • O IPS Comunidades como instrumento de diagnóstico e gestão do Território Médio Juruá - Renata Puchala (Gerente de Sustentabilidade da Natura)
  • Desenvolvimento Territorial e IPS Comunidades sob a perspectiva de organizações de base, empresas, ONGs e poder público local - Adevaldo Dias da Costa (Memorial Chico Mendes), Eduardo Taveira (Fundação Amazonas Sustentável - FAS), Susy Barros de Lima (Vice-prefeita de Carauari), Renata Puchala (Natura) e Pedro Massa (Coca-Cola)
Saiba mais acessando os links:


segunda-feira, 8 de junho de 2015

Venha Fazer Parte da Nossa Equipe!


Visando sempre a melhoria do conteúdo oferecido a você, amigo leitor, o Autossustentável ampliará sua equipe de colaboradores.

Para isto, estamos iniciando um novo processo seletivo para colaboradores voluntários – pessoas que querem, de alguma forma, fazer a diferença!

Se você se identifica com nosso conteúdo, gosta de escrever, tem bom conhecimento da nossa língua e assim como nós é apaixonado pela causa ambiental/social/cultural, venha fazer parte de nossa equipe.


Período de Inscrição:
  • 08/06 a 26/06 (sexta, às 23:59)
Áreas Solicitadas:
  • Biologia
  • Design/Arquitetura
  • Nutrição/Saúde
  • Química
  • Educação/ Social
  • Engenharia/ Mobilidade Urbana

Lembramos que o Autossustentável é uma rede de informações que tem por objetivo compartilhar e multiplicar culturas e práticas socioambientais. Nossa rede foi fundada no ideal colaborativo, por isso, não temos como remunerar financeiramente os nossos colaboradores. Mas, garantimos retorno em forma de experiência, reconhecimento por parte dos nossos leitores e, principalmente, companheirismo e amizade da equipe Autossustentável.

Interessad@? Envie um artigo, de até duas folhas (duas laudas), para o e-mail: contato@autossustentavel.com.


Pequenas atitudes geram grandes mudanças, venha fazer parte dessa corrente!

Saudações Verdes!
Equipe do AUTOSSUSTENTÁVEL


quarta-feira, 3 de junho de 2015

SOMOS TODOS CHICO - Dia Nacional em Defesa do Velho Chico


Vire carranca em defesa do Velho Chico! 


O Dia Nacional em Defesa do Velho Chico é comemorado neste dia 03 de junho para chamar a atenção da sociedade para a necessidade de revitalização do rio São Francisco. Este é o segundo ano consecutivo em que o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) promove a campanha “Eu Viro Carranca para Defender o Velho Chico”.


O rio São Francisco é um dos mais importantes cursos d'água do Brasil e de toda a América do Sul. Ele corre por 521 municípios em 5 estados (Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas) e está sendo severamente afetado pela crise hídrica brasileira, que atinge fortemente os cerca de 15,5 milhões de moradores da bacia do São Francisco.


As quatro regiões fisiográficas da bacia sofrem com grandes problemas como assoreamento, desmatamento, ausência de um plano de saneamento por parte dos municípios, além da baixa vazão nos reservatórios da calha do rio e uma grande mancha escura que recentemente se proliferou pelo Velho Chico ao longo de 30km de extensão no estado de Alagoas.


“Ainda não estamos preparados para as mudanças climáticas e chegou a hora de agirmos. Recomposição das matas ciliares, conscientização da população, mudança da matriz energética da região do Rio São Francisco são soluções para mitigar essa crise." – disse Anivaldo de Miranda Pinto, presidente do Comitê.

Saiba mais sobre essa importante causa e vire carranca em defesa do Velho Chico! http://virecarranca.com.br/

____________________________________________________

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco é um órgão colegiado, integrado pelo poder público, sociedade civil e empresas usuárias de água, que tem por finalidade realizar a gestão descentralizada e participativa dos recursos hídricos da bacia, na perspectiva de proteger os seus mananciais e contribuir para o seu desenvolvimento sustentável.


quarta-feira, 13 de maio de 2015

99% de Todo o Lixo da Suécia é Reciclado


Você se lembra da marcante cena do filme “De Volta para o Futuro” em que o personagem Doc Brown utiliza lixo para servir de combustível para o icônico DeLorean? Trata-se de um conceito muito interessante capaz de resolver dois problemas de uma vez, garantindo geração de energia e a eliminação de todos os materiais que geralmente são jogados em aterros e só prejudicam o meio ambiente.


A humanidade ainda não conseguiu chegar no exato ponto do que é exibido na ficção de Robert Zemeckis, mas é muito provável que em poucos anos sejam implementadas novas formas de reciclagem. E, se depender da Suécia, isso não vai demorar muito a acontecer.



Através de diversos investimentos em formas de geração de energia alternativas, o país escandinavo já consegue reutilizar 99% de todo o lixo produzido no território nacional.

Usinas WTE

Um dos fatores que contribuíram para que esse número aumentasse consideravelmente foi a implementação de usinas WTE (Waste-To-Energy), que possibilita a geração de energia através dos gases emitidos durante o processo de queima de uma grande quantidade de resíduos que geralmente seriam descartados.



Além de aproveitar praticamente quase todo o detrito produzido por seus residentes, os suecos realizam a importação de lixo vindo de países próximos, como Reino Unido, Itália, Noruega e Irlanda. No total, a Suécia possui 32 usinas WTE para lidar com essa grande quantidade de resíduos.


O vídeo a seguir (em inglês) mostra algumas usinas em funcionamento e a explicação dos principais responsáveis por este tipo de programa ambiental: