segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

A Arte de Saber Viver

A sustentabilidade não está longe, não é utópica e nem mesmo complicada como alguns dizem. Devemos partir de um ideal: Sustentabilidade é nada mais do que conseguir viver sem agredir o planeta.


É necessário trazer para perto, mais que isso: é preciso internalizar essa vontade, essa necessidade que o planeta tem de se manter vivo. É necessário tomar a dor do outro, a dor de quem sofre por escassez de recursos que o mundo não consegue mais suprir. É necessário ser visionário.

Humanidade, bravura e sabedoria estão essencialmente ligadas ao saber viver sem agredir. Saber viver sem violência, a violência praticada contra o próximo, contra o mundo e contra você. Pois é preciso ter em mente uma premissa: saber viver é ser sustentável. Sustentabilidade é a arte de saber viver, nada mais.

Não se deixe entediar ou desanimar por toda essa complicação que parece surgir sobre o assunto. Todos querem ter saúde, mas como vamos fazer isso em um mundo que carece de cuidados?

“Não é sinal de saúde estar bem adaptado a uma sociedade doente.” (Jiddu Krishnamurti)

Faça diferente, você pode! Reaprenda a viver, você vai ver como ser sustentável é ser simples e ser simples é ser incrível.

Apesar da face subjetiva que esse texto possa ter, afirmo que com um “olhar poético” é possível perceber a objetividade. É necessário um olhar poético perante os momentos de crise, pois é neste raro e especial momento que nascem as soluções mais eficazes. Não faça desse episódio que o mundo atravessa uma desculpa para jogar tudo paro alto e levar a vida como bem entender.


Ser sustentável não é ser egoísta e se isolar dos demais problemas, é justamente o contrário; é viver em comunhão com a sociedade, é viver com excelência, como um só com a natureza.

Façamos das boas ações à vida a nossa religião, nos reconectando com o essencial. Com a educação e a cultura. A complexidade também está presente na simplicidade, e nesse caso, a simplicidade está em compreender que “ser sustentável é simplesmente saber viver”.


Clique aqui para ler mais sobre artigos de Patrick Rabelo

0 comentários:

Postar um comentário