sábado, 14 de junho de 2014

A Cultura do Exagero – Por Que Tanto?

O lanche da manhã que a nutricionista prescreveu é um suco verde. Verduras e legumes crus que não consigo comer durante as refeições são liquidificados em 200 ml de suco verde escuro e às vezes com gosto estranho. Mas por quê? Porque eu costumo exagerar em algum ingrediente e, hoje foi o gengibre. O suco ficou picante!



A cultura é nossa forma de agir, baseada em todos aqueles saberes, crenças e hábitos da comunidade em que vivemos. Diariamente fazemos escolhas que são inconscientemente baseadas em regras e costumes antigos e que hoje já nem fazem mais sentido. Contudo, cultura também engloba tudo aquilo que vamos criando a partir do que aprendemos e sabemos. A cultura nos guia, porém também mudamos a cultura sistematicamente. Somos criatura e criador ao mesmo tempo.

Tenho estudado muito sobre isso e cada dia mais percebo o quanto o processo cultural é automático. Não pensamos, simplesmente agimos e se alguém perguntar o porquê fazemos algo de uma determinada forma ou outra, a resposta será: é o correto. Mas o correto de acordo com o que? Quem disse que o certo é desta forma?

Enquanto tomava de forma obediente e contrariada meu suco verde de puro gengibre hoje pela manhã, lembrei que já conversei com a nutricionista várias vezes sobre isso. Meu cérebro me diz que devo colocar bastante comida no prato, ou ter muita variedade no suco, ou ainda ter um bom estoque de alimentos em casa. E isso vem da cultura alemã da qual sou descendente. Estocar comida, pois eles chegaram ao país fugindo da guerra e precisavam garantir o seu alimento. Ainda percebo que para muitos no sul do país – alemães, italianos e espanhóis, principalmente –  ter uma mesa farta significa que há riqueza e prosperidade, significa compartilhar carinho, etc. Talvez por isso eu exagere na minha alimentação.

Autossustentável: Exagero na Alimentação

Olhando mais de perto, na verdade também há exagero com livros, tecidos para artesanato... alguns exageram nos sapatos, outros nos jogos, na bebida. O próprio copo que usamos em casa ou que vemos nos bares é cada vez maior. Quando parei, há dois anos, de tomar o suco verde estava intoxicada por excesso de um nutriente que envenena. A medida do suco é 200 ml ou um copo americano, também serve o copo do requeijão. Mas o copo que você usa em casa não é maior que o copo de requeijão? Quando você vai beber suco, refrigerante, cerveja, o copo de requeijão não parece pequeno? E há ainda o supra-sumo disso que é a possibilidade de encher seu copo novamente em alguns restaurantes – o refil grátis. Quando era criança o guaraná vinha em garrafa de 600 ml – igual à de cerveja – e dividíamos entre 13 primos! Hoje uma criança bebe 600 ml de refrigerante e ainda quer mais.

De onde vem essa necessidade de termos tanto? Precisamos muito, bastante, mais, outro do mesmo, outro grátis, outro de brinde... mais tempo, mais dinheiro, um outro produto melhor, mais moderno, mais adequado...

Os filósofos antigos já exaltavam a moderação, os orientais modernos continuam a falar em equilíbrio, meio termo, meus pais me falavam de parcimônia. Há tanto tempo estamos sendo alertados e ainda não ouvimos? Que tipo de mensagem precisamos?

Em relação à natureza não é difícil perceber que o excesso de consumo dos recursos naturais afetou o equilíbrio e gerou a escassez. Também há excesso de lixo, em decorrência do excesso de consumo de bens materiais. O excesso de procura gerou a produção de bens em excesso e que precisam ser vendidos. Para produzir rápido e barato é necessário produtos de pouco valor e que ao serem substituídos não servem para nada mais.

Autossustentável; Desperdício e Resíduos

É preciso mais moradias e moradias maiores para guardar tudo aquilo que adquirimos, todos os filhos que tivemos e toda a nossa necessidade de espaço. Nos tornamos muitos, mas será que precisamos de muito? E precisamos para que? Para nos sentirmos bem? Mas você não sente que a cada aquisição você continua insatisfeito? Se o refrigerante não te faz sentir bem com 200 ml, por que 1, 2 ou 3 litros fariam? Se com um sapato você não é feliz, será que mais 20 a deixarão feliz? Porque tanto? O que na nossa cultura gera essa necessidade do exagero?

Autossustentável: Consumismo Dalai Lama

Como disse no início somos compelidos pela cultura, mas também a criamos, simultaneamente. Sendo assim, o que precisamos fazer para reverter isso?

Clique aqui para ler outros artigos de Janaína Helena Steffen


5 comentários:

Postar um comentário