terça-feira, 24 de junho de 2014

O Que Você Vê no Espelho?

Para começar a responder essa questão, proponho começarmos com um exercício simples: vá para frente de um espelho, preferencialmente sozinho, e se olhe sem pressa. Tente, se possível, se despir dos seus pudores, preconceitos e julgamentos de valores. Desta vez, não foque seu olhar apenas em sua aparência física, ou no que você acha que mostra às pessoas. Tente focar em outra parte de você: quem você realmente é por trás daquilo que você mostra ao mundo. A partir daí, se faça as seguintes perguntas:

“Você se orgulha da pessoa que é?”
“Das suas ações?”
“Da forma como vive?”
“Como você se mostra para o mundo?”
“Aquilo que você transmite é realmente o que você é ou deseja transmitir?”
“Seus pensamentos e atitudes estão em conformidade?”
“Ou você anda agindo contraditoriamente às suas crenças?”
“O que você gostaria de mudar ou melhorar em você para ser aquilo que você almeja?”


Apesar de um exercício simples, ele não é fácil. Analisar-se dessa forma mais profunda, às vezes, pode ser chocante. Podemos nos deparar com uma pessoa muito diferente daquela que pensamos ser ou daquela que queremos ser. Não que sejamos falsos ou mentirosos, nada disso. É que muitas vezes estamos tão envoltos em tantos outros planos, projetos e ações que não paramos para pensar no nosso projeto mais íntimo: nós mesmos. Sim, nós também somos um projeto em constante e infinita mudança. Na verdade, cada dia que vivemos já nos modifica de alguma forma, mesmo que imperceptível aos nossos olhos, por isso, também merecemos esse tipo de atenção e cuidado. O que no fundo é ótima notícia: todos os dias são novos recomeços, a cada manhã temos a chance de buscar ser aquilo que queremos ou melhorar aquele aspecto negativo que nos incomoda. Basta se conhecer, reconhecer e querer.

Você deve estar achando que esse artigo é um velho papo de auto-ajuda, daqueles com os quais somos bombardeados, diariamente, sem qualquer fundamento, certo? Pois é, até parece mesmo, admito. Na verdade, isso foi o que aconteceu comigo em dezembro de 2011, acidentalmente, e desde então, passei a prestar mais atenção no personagem principal desse meu projeto maior chamado “vida”, afinal, sem ele, nada seria possível. Na verdade, o que vi no espelho, naquele dia, foi justamente o oposto de tudo aquilo que eu admirava. Vi uma menina desgostosa, descuidada, triste e amarga, refletida no espelho. Fisicamente, tinha acabado de entrar na obesidade grau 1, completamente dominada pela compulsão pela bebida, comida e cigarro. Uma imagem um tanto quanto pesada de se encarar.

Autossustentável: O que você vê no espelho?

Foi quando decidi que não precisava ser assim, que me tornaria aquela pessoa que eu tinha em mente e que sentiria orgulho quando me olhasse no espelho ou quando deitasse a cabeça no travesseiro todos os dias para dormir. E assim o tenho feito. Não, não mudei minha personalidade, nem virei outra pessoa ou encarnei um personagem. Continuo possuindo os mesmos defeitos de antes e digo até que posso ter adquirido novos, não sou feliz o tempo todo, nem todos os dias estou de bom humor. Cometo um monte de erros a todo tempo, não tenho aquela vida perfeita de comercial de margarina, pelo contrário. Na verdade, estou muito longe de ser exemplo de qualquer coisa, mas ainda assim, tenho a certeza que a cada dia sou a melhor versão que posso ser de mim mesma. Por isso tenho muito orgulho do que vejo no espelho todos os dias, e não digo isso pelos 30 kg perdidos ou pelo fato de ter parado de fumar, digo isso pela pessoa que consigo ver que sou hoje e pelo o que eu posso oferecer de bom para aquelas que me cercam.

Autossustentável: Carlos Drummond de Andrade - Felicidade

O que quero dizer com isso tudo é que mudar pode ser muito mais simples do que parece depois que passa o choque do primeiro impacto. E que, infelizmente (ou felizmente), não existe fórmula mágica ou padrão e nem momento certo pra isso, cada um vai encontrar seu caminho, até porque, cada um tem conflitos e problemas únicos. Quando decidi investir no meu projeto “Patricia 2.0”, uma das minhas metas pessoais era fazer, pelo menos, um bem por dia para alguém, seja essa pessoa quem for (mais tarde entramos nesse assunto com a atenção que ele merece). Então pensei: “por que não escrever sobre isso e convidar mais pessoas a também fazer esse exercício e identificar o que elas não gostam ou o que elas gostariam de mudar para se sentirem melhores?”. Assim como esse pequeno ato desencadeou várias reações bacanas em minha vida, talvez ele possa também ajudar outras pessoas, fazendo bem a elas. E o bem feito a alguém, por menor que seja, sempre nos faz um pouquinho melhores e nos ajuda a crescer.

Autossustentável: Felicidade

Então, que tal realizar o exercício do início do artigo e começar o seu próprio projeto? Mas não esqueça de realizá-lo constantemente, avaliando os resultando alcançados, balanceando não somente seus pontos fracos ou negativos, mas também suas qualidades, ressaltando, principalmente, o seu avanço em direção aquilo que te faz bem.


Clique aqui para ler mais artigos de Patrícia Oliveira

1 comentários:

Postar um comentário