quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Que tal conhecer a Reserva Natural Salto Morato e ainda aprender sobre trilhas?

Salto Morato - Foto: José Paiva / Acervo Fundação
Salto Morato - Foto: José Paiva / Acervo Fundação

Promover o ECOTURISMO, de forma consciente e responsável, incentivando a conservação do patrimônio natural e garantindo o bem-estar da população local e a consciência ambiental tem sido um grande desafio. Pensando nisso, a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza preparou uma série de vídeos gravados na Reserva Natural Salto Morato, que proporciona momentos únicos junto à natureza.

A série “Na Mata” apresenta, em 6 vídeos, algumas dicas de como aproveitar esse espaço, aberto à visitação desde 1996, e mostra as belezas e principais características da região, além de dar dicas super legais de como aproveitar melhor uma caminhada em uma área natural.
Foto: José Paiva e Adrian Mossfoti - Trilha - Reserva Natural Salto Morato / Acervo Fundação
Foto: José Paiva e Adrian Mossfoti - Trilha - Reserva Natural Salto Morato / Acervo Fundação

O local conta com duas trilhas autoguiadas abertas à visitação, que possibilitam ao visitante ter informações sobre características da Mata Atlântica e observar a natureza com outro olhar. A primeira trilha, Trilha da Figueira, leva até uma imponente árvore centenária que abriga diversas espécies de plantas e animais. Já a segunda, Trilha do Salto, termina ao pé do Salto Morato, uma cachoeira com mais de 100 metros de altura que dá nome à reserva. No caminho, o visitante ainda passa por um aquário natural onde é possível nadar com os peixes.

Acompanhe a série “Na Mata”. Assista ao primeiro vídeo da série:


Acompanhe os próximos vídeos da série “Na Mata” no Youtube e no Facebook.


Reserva Natural Salto Morato

Foto: Haroldo Palo Jr. - Salto Morato / Acervo Fundação
Foto: Haroldo Palo Jr. - Salto Morato / Acervo Fundação

Situada no mais ameaçado bioma brasileiro – a Mata Atlântica – a Reserva Natural Salto Morato foi criada em 1994 pela Fundação Grupo Boticário e protege uma área de 2.253 hectares, sendo reconhecida, em 1999, como Sítio do Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO. Encontra-se em uma região com expressiva concentração de espécies de aves endêmicas – isto é, exclusivas dessa região – sendo várias delas ameaçadas de extinção.

Autossustentável: Reserva Natural Salto Morato
Reserva Natural Salto Morato

A reserva fica localizada em Guaraqueçaba, litoral do Paraná, e é uma das atrações turísticas do município. O local é repleto de belezas naturais e ideal para quem busca refúgio e descanso.

Araçari-Banana (Pteroglossus Bailloni) Foto: Haroldo Palo Jr. / Acervo Fundação
Araçari-Banana (Pteroglossus Bailloni) Foto: Haroldo Palo Jr. / Acervo Fundação

Até hoje, foram registradas a ocorrência de 646 espécies vegetais vasculares, 98 espécies de mamíferos, 325 espécies de aves, 36 espécies de répteis, 60 espécies de anfíbios e 57 espécies de peixes. Essa biodiversidade é um atrativo para pesquisadores que vem de todo o Brasil para realizarem estudos em Salto Morato.

Centro De Visitantes - Foto: Acervo Fundação
Centro De Visitantes - Foto: Acervo Fundação
O local conta também com um Centro de Visitantes, que traz informações sobre a região, cujo uso público tem como objetivo sensibilizar os visitantes para a causa da conservação, o que resulta em oportunidades de recreação em contato com a natureza.

A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza

A Fundação Grupo Boticário é uma instituição sem fins lucrativos que, desde 1990, empreende esforços para conservar a natureza no Brasil. A Fundação apoia iniciativas de outras organizações em todo o país, investe em estratégias inovadoras de conservação como o pagamento por serviços ambientais e ainda realiza ações de sensibilização da sociedade para a causa.

Desde a sua criação, já apoiou 1.417 iniciativas de 481 instituições de todo o país e mantém duas unidades de conservação, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, somando mais de 11 mil hectares de áreas protegidas nos dois biomas mais ameaçados do país.



1 comentários:

Postar um comentário