quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Análise do Ciclo de Vida: uma Ferramenta para Calcular Impactos Ambientais

Com o crescente aumento da consciência ambiental e da preocupação com problemas ambientais, as indústrias e os negócios estão cada vez mais comprometidos em analisar os impactos ambientais de suas atividades. Muitos negócios responderam à essa nova tendência criando produtos mais verdes e tornando seus processos mais sustentáveis. Uma ferramenta muito utilizada por empresas para auxiliar na adoção de estratégias sustentáveis é a Análise do Ciclo de Vida.

A Análise do Ciclo de Vida (ACV, do inglês Life Cycle Assessment) é uma metodologia que avalia os impactos ambientais de um processo, produto ou serviço, levando em conta todo o seu ciclo de vida. O termo ciclo de vida se refere ao conjunto de todas as etapas no decorrer da vida útil do produto, desde o processo de extração de matéria-prima, passando pelo processamento de material, fabricação, distribuição, uso, até o fim de sua vida útil.

Etapas do ciclo de vida de um produto

A ACV é uma técnica utilizada para calcular os aspectos ambientais e os potenciais impactos associados a um produto, processo ou serviços, através das seguintes etapas:

  • Definição do escopo e dos objetivos: Consiste em definir e descrever o produto, processo ou atividade, além de estabelecer o contexto da análise e definir as fronteiras e a(s) variável(is) de estudo da análise do ciclo de vida. Variáveis comumente estudas são emissão de poluentes como CO2, CH4 e NOx, além do consumo de energia e consumo de água;
  • Análise de inventário: Identificar e quantificar as entradas de energia e de materiais e as correntes emitidas para o meio ambiente (emissões de poluentes, descarte de resíduos sólidos, etc.);
  • Avaliação de impacto: Avaliar os potenciais impactos ambientais associados às entradas e emissões identificadas na análise de inventário;
  • Interpretação dos resultados: Avaliar os resultados para selecionar o produto, processo ou serviço, com o claro entendimento das incertezas e das premissas utilizadas para gerar o resultado. 
O principal aspecto da ACV é que ela inclui impactos que normalmente não são considerados nas análises tradicionais. Ao incluir impactos de todo o ciclo de vida, a ACV proporciona uma visão mais abrangente dos aspectos ambientais do produto, processo ou serviço. Muitas vezes, os resultados desses cálculos podem ser surpreendentes.

O gráfico abaixo é um exemplo de análise de ciclo de vida comparativo das emissões de gases do efeito estufa para diferentes combustíveis utilizados no setor de transporte.

Fonte: Alternative Fuels Data Center
  
A figura abaixo mostra a análise do ciclo de vida feito pela montadora Nissan, comparando as emissões de seu veículo elétrico Nissan Leaf com um veículo similar movido a gasolina. Note que, para os veículos a gasolina, a etapa do ciclo de vida que mais contribui para as emissões de poluentes é o uso de combustível. No caso do Nissan Leaf, o consumo de combustível é igual a zero, por ser um veículo elétrico. Por outro lado, para se produzir o Nissan Leaf, uma quantidade maior de energia é gasta tanto na manufatura quanto para recarregar a bateria do veículo, e por isso, suas emissões são maiores em outros aspectos. De um modo geral, o veículo elétrico ainda possui um desempenho significativamente melhor do ponto de vista ambiental. Porém, seria um erro se comparássemos apenas as emissões de poluentes decorrentes da queima de combustíveis ou da eletricidade utilizada pelo veículo elétrico, pois estaríamos ignorando uma boa parcela das emissões.

Fonte: Nissan
Outro exemplo muito interessante está relacionado ao movimento a favor da valorização da produção local de alimentos. Muitos mercados na Europa e nos Estados Unidos disponibilizam informações relacionadas à distância percorrida pelo alimento até o consumidor. Há um crescente grupo de consumidores que prefere não comprar produtos importados ou que são transportados por distâncias muito longas a fim de reduzir a emissão de poluentes decorrentes do transporte desses produtos.

Mas essa escolha pode estar precipitada para alguns casos. Há inúmeros benefícios em comprar alimentos locais, e geralmente, esse é um fator muito importante a se considerar na escolha do seu alimento. Mas do ponto de vista de emissão de poluentes, há outros fatores a se considerar além do transporte. Cientistas da Universidade de Lincoln, no Reino Unido, realizaram um cálculo de ACV comparando a emissão de poluentes de duas carnes diferentes: uma que era produzida localmente, no próprio Reino Unido, e outra que era importada da Nova Zelândia. No cálculo, eles consideraram a energia gasta no consumo de água, na colheita, no uso de fertilizantes, no transporte (incluindo o tipo de combustível utilizado), no descarte de embalagens, no armazenamento e inúmeros outros fatores. Através desses cálculos, os cientistas chegaram a conclusões surpreendentes. A carne produzida na Nova Zelândia, que viajava 17700km de barco até o Reino Unido, emitiu 670kg de CO2 para cada tonelada, enquanto que a carne produzida localmente emitiu 2850kg de CO2 para cada tonelada, ou seja, quatro vezes mais poluentes. Essa diferença se deu principalmente pela necessidade de os fazendeiros britânicos usarem uma alta quantidade de insumos agrícolas, graças à infertilidade de suas terras.

Esse exemplo nos mostra que nem sempre a opção mais sustentável é aquela que todos dizem ser, ou aquela que nos parece mais ambientalmente correta. No caso da carne no Reino Unido, há enormes ganhos ambientais em importá-la de um país localizado no outro lado do mundo ao invés de produzi-la localmente.



A Análise do Ciclo de Vida é, portanto,uma ferramenta poderosa que identifica detalhadamente os impactos ambientais de diferentes alternativas de produtos ou processos. Essa informação, junto de outros fatores como dados de custo e desempenho, auxilia tomadores de decisão a escolherem as melhores alternativas de acordo com estratégia de sua empresa. Trata-se de um cálculo complexo, que requer grandes esforços principalmente na coleta de dados, mas que pode trazer informações valiosas.

Existem diversos websites que realizam alguns tipos de cálculos de ACV gratuitamente, como o OpenLCA e o LCA Calculator. É possível também calcular a pegada de carbono de um indivíduo, ou seja, o quanto de CO2 é emitido por uma pessoa, através do Carbon Footprint Calculator (site em inglês). Essa é uma ferramenta interessante para todos que estão interessados em descobrir o quanto impactam o meio ambiente, e identificar maneiras de diminuir esse impacto com algumas mudanças de hábitos.

  1. Scientific Applications International Corporation (SAIC). Life Cycle Assessment: Principles and Practice. Cincinnati: National Risk Management Research Laboratory, Office of Research and Development, US Environmental ProtectionAgency,2006. Disponível em: http://www.epa.gov/NRMRL/lcaccess/pdfs/600r06060.pdf
  2. Mc WILLIAMS, J. E. Food that Travels Well. The New York Times, Austin, Texas. Ago, 2007. Disponível em: http://www.nytimes.com/2007/08/06/opinion/06mcwilliams.html?_r=0


Clique aqui para ler mais artigos de Daniella Kakazu


0 comentários:

Postar um comentário