terça-feira, 9 de maio de 2017

SolaRoad: Holanda e a primeira ciclovia solar do mundo


Esta é a primeira ciclovia solar do mundo. Na verdade, a ciclovia é apenas o começo de um projeto que pretende transformar todas as rodovias em uma fonte inesgotável de energia limpa e beneficiar as populações e sistemas públicos municipais ao seu redor.

Conhecido como SolaRoad, o projeto é fruto de uma parceria público-privada da Organização Holandesa de Pesquisa Científica Aplicada (TNO) em parceria com a empresa de tecnologia Imtech.

Imagem: Extreme Tech

O primeiro protótipo foi instalado em 2014 na cidade de Krommenie, a 25 km da capital Amsterdã. Durante seu primeiro ano, 9.800 kWh de energia foram gerados: o suficiente para fornecer eletricidade a três casas. Valor foi superior ao estimado inicialmente pelos desenvolvedores.


Mas como funciona?

Imagem: SolaRoad

A ideia por trás do SolaRoad é bem simples: a luz solar que incide na superfície de um bloco inteligente (substituto do asfalto) é absorvida por pilhas solares e convertida na eletricidade - a superfície da estrada atua como um grande painel solar. A eletricidade gerada desta forma pode fornecer energia para postes, carros elétricos ou, simplesmente, enviar energia para a rede elétrica local.


Imagem: SolaRoad

O projeto ainda está em fase de testes – foram construídos apenas 90 metros– mas não se pode negar a importância dessa inovação. Evitaria a ocupação de vastas extensões de terra (no caso de parques fotovoltaicos instalados no campo), e produziria grandes quantidades de energia limpa, ajudando a reduzir as emissões poluentes dos combustíveis fósseis.

Apesar dos resultados animadores, há ainda algumas ressalvas em relação a essa tecnologia. Uma delas é a sua reduzida eficácia na produção de energia em comparação aos painéis fotovoltaicos instalados no telhado ou no campo. Isto porque os painéis colocados nas estradas não podem sempre ser inclinados na direção do sol.


Imagem: The Epoch Times

Quem sabe no futuro possamos pedalar quilômetros em ciclovias como essa?



Clique aqui para ler mais artigos de Leonardo Borges

0 comentários:

Postar um comentário