quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Conheça o maior Aquário Marinho da América do Sul e as melhores atrações


Imagem: Viaje na Viagem

Visitamos a convite o Aquário Marinho do Rio de Janeiro, ou AquaRio. Com 26 mil m² de área construída e 4,5 milhões de litros de água, o AquaRio é o maior Aquário Marinho da América do Sul.

O projeto AquaRio nasceu focado em três pilares essenciais: Educação ambiental de qualidade, Conscientização e Pesquisa científica. Hoje, por exemplo, 15 estudos inéditos de universidades brasileiras estão sendo realizados no local, inclusive sobre a proteção a espécies ameaçadas.

Imagem: Viaje na Viagem

Já no hall de entrada, a surpresa fica por conta da ossada de uma baleia jubarte. A carcaça do animal, que tinha dez anos de idade, foi encontrada em 2014 na Praia da Macumba e preparada para a exposição.

Com 99% da fauna advindo da costa brasileira, o aquário possui 8 mil animais de 350 espécies diferentes espalhadas em 28 tanques, alguns deles com ornamentação totalmente natural. Dois desses tanques trazem espécies de regiões como a costa do Caribe e do Indo Pacífico, como as espécies de Procurando Nemo e Dory, por exemplo.

Imagem: Viaje na Viagem

Como todo aquário, há controle de temperatura e o pH dos tanques é monitorado várias vezes ao longo do dia. Além disso, é realizado também o controle de natalidade, inclusive, há um tanque especialmente preparado para arraias e tubarões bebês.

A experiência é de fato fascinante, não só para as crianças. A visita começa passando por tanques que parecem ter sido organizados para irem revelando animais cada vez mais interessantes, desde águas-vivas e moreias.

Imagem: Autossustentável

Acima de cada um dos tanques há informações sobre os animais, como nome da espécie e a sua localização. Todo o espaço é altamente educativo com painéis interativos ao longo do circuito com informações sobre conservação, oceanos e curiosidades, além de monitores que respondem prontamente dúvidas e apresentam curiosidades.

Imagem: Autossustentável

Ao longo do circuito pode-se encontrar 2 grutas de interação educativas. São instalações com monitores que permitem total interatividade para que o visitante tenha acesso a conceitos e informações sobre algumas espécies.
  
Imagem: Autossustentável

Na primeira gruta, através da Realidade Aumentada, o visitante consegue visualizar modelos 3D de diversas espécies (tubarões, tartarugas, arraias, entre outros), vendo o animal em diversos ângulos e descobrindo detalhes da sua biologia.

Imagem: Autossustentável

Já na segunda gruta, há uma tela para navegação, onde o visitante aprende sobre as diferentes espécies de tubarão, a importância de preservação e como os seres humanos estão impactando a vida dos tubarões.

Imagem: Nós na Trip

Mas o maior espetáculo, no entanto, começa na chegada ao Recinto Oceânico e de Mergulho. Com 3,5 milhões de litros de água, sete metros de pé-direito e um túnel passando por seu interior, o tanque é habitado pelas principais estrelas do aquário — os tubarões Sharon (da espécie Lambaru) e Margarida (um tubarão Mangona) e o badejo-quadrado “Giorgio”, que tem 40 quilos.

Uma longa parada na arquibancada em frente ao enorme painel de acrílico do tanque para observá-los e assistir ao movimento majestoso das raias pode ser um dos pontos mais interessantes da visita, já que não é tão disputado quanto o que vem a seguir.

Imagem: AquaRio
O ápice do circuito é caminhar por dentro de um túnel de acrílico que passa por baixo d'água, onde é possível ficar ainda mais pertinho e admirar as diversas espécies de peixes, tubarões e raias.

Imagem: AquaRio

Já no final do caminho, há ainda uma exposição com diversos tipos de conchas, com seus variados tamanhos, cores, formas e funções.

Imagem: Autossustentável

Adoramos a experiência de visitação ao AquaRio! É uma ótima maneira de conhecer mais sobre a fauna oceânica brasileira e dessa forma ensinar aos pequenos a importância de preservação e cuidado com nossos mares.

Para conhecer mais sobre o AquaRio, você pode acessar o site (clicando aqui) ou ver o perfil da página no Facebook (clicando aqui).


Clique aqui para ler mais artigos de Leonardo Borges





1 comentários:

Postar um comentário