quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Um encontro de ações em defesa da Vida

Reprodução: Tamera Healing Biotipe I - Portugal. Imagem: Ludwig Schramm

Ativistas do mundo inteiro foram convidados a colaborar e compartilhar suas experiências em ação, intenção, arte e manifestação política durante a conferência "Defesa do Sagrado: Imaginar Uma Alternativa Global”.

O evento reúne, durante 10 dias, ativistas do Quênia, África do Sul, Egito, Índia, Palestina, Israel, Colômbia, Peru, Bolívia, México, Argentina, Brasil, Guatemala, Filipinas, Inglaterra, Espanha, Portugal, Alemanha, Estados Unidos e Canadá.



Este encontro está sendo realizado na comunidade Tamera (Portugal), um centro de educação dedicado a explorar e nutrir a paz. A beleza da terra é indescritível, repleto de água e verde, movida a energia solar e biogás. A comunidade de residentes, através de um processo participativo chamado Fórum, decide coletivamente o futuro e o presente de Tamera.

Desafiando paradigmas sociais e econômicos a comunidade atua a partir de princípios ecológicos. Por exemplo, toda a alimentação na comunidade é orgânica e plantada na própria região pelos residentes ou produtores regionais de Portugal. Todos os banheiros são secos, ou seja, sem água, fazendo uso do processo de compostagem. Para conhecer mais sobre Tamera, clique aqui.


Vista aérea de Tamera. Imagem: Tamera Healing Biotipe I - Portugal

O seminário começou no dia 07 de Agosto e tem duração de 10 dias. Entre painéis, debates, rodas de conversa e palestras fomos recebidos com muita música e manifestações artísticas. A presença de cerimônia, sons, cantos, instrumentos e movimentos corporais em um evento como este é fundamental para que possamos ir além do nosso intelecto e da esfera das ideias. Uma das armadilhas que nós, ativistas, podemos cair é o excesso das críticas ao sistema e a falta de ação prática e pragmática em prol da transformação.

Para evitar este sentimento de estagnação e nos colocarmos a serviço da terra que nos recebe, Portugal, nós co-criamos com o artista John Quigley uma grande arte corporal na praia de Odeceixe. Com mais de 500 pessoas reunidas nós realizamos uma ação em defesa dos oceanos e da costa Portuguesa, que no momento esta sendo ameaçada e depreciada devido à exploração petrolífera.



Com nossos corpos escrevemos na areia da praia, aonde o rio encontro o mar, nossa mensagem. O evento foi muito emocionante, estar reunido com tantas pessoas em prol de uma mesma causa é um sentimento de muita união e esperança.



Tamera recebeu no total 150 pessoas para o seminário. Fui convidada para compartilhar minha experiência na Amazônia brasileira e jornada como ativista e ecologista social. Fico muito honrada com o convite e quero manifestar aqui meu profundo respeito pelo trabalho de todos os ativistas e participantes que dedicaram seu tempo e energia a este encontro. Espero quando este encontro terminar contar as histórias transformadoras aqui no Autossutentável.

Reflexões importantes foram feitas durante o seminário, enraizado na sabedoria indígena e inspirado pelo caso de Standing Rock nos Estados Unidos. O primeiro painel foi dedicado às manifestações políticas de não violência nos Estados Unidos em resistência ao Oleoduto de North Dakota. Guiados pela fundadora do movimento LaDonna Brave Bull, anciãos e jovens indígenas norte americanos fomos todos convidados a questionar o que significa agir em defesa do sagrado.


Durante as refeições, círculos de conversa se formavam em torno de assuntos como autonomia alimentar, novas formas de economia, democracia participativa e a viabilidade de fontes de energias renováveis. Com o cuidado de não idealizar este diálogo, muitos projetos e estudos de caso foram abordados. Questionamos como criar ações recorrentes, empoderando as comunidades locais, para criar resultados sólidos e duradouros.

A conferência seguiu com painéis divididos de forma geopolítica. A segunda sessão abordou a violência urbana de São Paulo, Colômbia e Quênia. No dia seguinte as questões do Oriente Médio foram trazidas para a discussão, com ativistas israelitas e palestinos. Testemunhar um debate tão caloroso e amigável entre tamanhas nações foi um momento único que reforça o nosso potencial para administração de conflito e a vontade de encontrar a paz.



Ponderamos sobre a diferença entre um objetivo e um propósito. Conversamos sobre identidade, ancestrais e história. Foi oferecido um espaço para abordar o papel do feminino e masculino, e do papel da mulher na construção de uma nova sociedade. Inspirados por diferentes nações indígenas e pelo poder de oração realizamos cerimônias junto ao nascer do sol e com a lua cheia.

Imagem: Ivan V. Juric

O seminário ainda não chegou ao fim, mas a certeza de que precisamos de suporte ao redor do mundo para criarmos a realidade que queremos está cada vez mais presente. Antes mesmo do fim da conferência já pude perceber como nossos espíritos estavam mais fortes, mais enérgicos e preparados para enfrentar novos desafios. Nutrimos a certeza de que existe um novo movimento se formando, e juntos, podemos colaborar para fortalecer esta transformação.

Para acompanhar painéis online do seminário e assistir aos vídeos de palestras, visite: Tamera.

Você também pode acompanhar o evento pela página oficial de Tamera no Facebook: Tamera Healing Biotipe I - Portugal. 



0 comentários:

Postar um comentário