sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Economia Circular e Cradle to Cradle: Ferramentas para equilíbrio entre sociedade e meio ambiente



Neste último post da Semana Temática de Ecodesign apresentamos a Economia Circular, uma perspectiva econômica benéfica ao meio ambiente e à sociedade, e sua principal ferramenta o conceito “do berço ao berço” (Cradle to Cradle, em inglês).

Autossustentável: Economia Circular
Imagem: WSP | Parsons Brinckerhoff

Somos a única espécie do planeta que gera lixo. E a cada dia produzimos um volume maior de resíduos inutilizados e potencialmente tóxicos para nós e para o meio ambiente. Isso porque adotamos um modelo produtivo linear, fundamentado no processo de “extrair–produzir-descartar”. Além do grave problema socioambiental de descarte, esse modelo pressiona a extração de recursos naturais oferecendo ameaça iminente de esgotamento desses recursos e eleva gradativamente os custos de extração.


Em decorrência disso, é impreterível reconsiderar nosso processo produtivo e suas falhas, a fim de reequilibrar nossa relação com o meio. E é justamente essa a proposta da Economia Circular, que através da formulação de novos produtos e da formação de redes e cooperações entre fornecedores, produtores, clientes e governos, busca mais que regenerar a relação sociedade-meio ambiente.

Autossustentável: Economia Linear x Economia Circular
Economia Linear x Economia Circular. Imagem: The Ellen MacArthur Foundation

A nova proposta econômica almeja, igualmente, que o valor dos recursos extraídos e produzidos permaneça em circulação por meio de cadeias produtivas intencionais e integradas, aproveitando seu máximo valor e utilidade. Desta forma, o destino final dos produtos é pensado no design de produtos e sistemas, não sendo mais apenas uma questão de gerenciamento de resíduos.

Autossustentável: Lixo
Imagem: Eventbrite

O objetivo é acabar com o conceito de lixo, considerando cada material dentro de um fluxo cíclico. Para cumprir essa missão surgiu conceito “do berço ao berço” (Cradle to Cradle), onde todos os componentes de um produto são nutrientes para um novo ciclo e os tão preocupantes resíduos passam a circular de forma contínua.

Autossustentável: Cradle to Cradle
Critérios do Cradle to Cradle

De acordo com o conceito Cradle to Cradle, o design industrial deve processar separadamente os nutrientes biológicos dos nutrientes técnicos. Os primeiros seriam os materiais biodegradáveis, que devem voltar de forma segura ao meio ambiente; enquanto que os últimos correspondem aos recursos que não são produzidos de forma contínua pela biosfera, como metais e plásticos. Esses dois tipos de nutrientes devem ser aproveitados de forma contínua nos processos industriais, sem perda de qualidade.

Autossustentável: Ciclos
Imagem: Ideia Circular

Baseando nosso processo produtivo nessa estrutura de inovação de produtos e nos inspirando nessa modelo de cíclico, seria possível impactar positivamente o meio ambiente.

Com informações de: Ideia Circular, EPEA Brasil e Endeavor Brasil.

Clique aqui para ler mais artigos de Nathália Abreu



0 comentários:

Postar um comentário