terça-feira, 11 de julho de 2017

Energia Eólica: Vantagens na Produção e o Recorde de Geração no Nordeste

Além de ser barata, limpa e renovável, a energia eólica também não emite gases de efeito estufa (GEE) para a atmosfera.

Imagem: ECONOMICA.net

Os números não deixam dúvida quanto à condição favorável do Brasil, com ventos fortes e contínuos, para a geração de energia eólica. No ano de 2016, por exemplo, a média da relação entre a capacidade instalada nas usinas eólicas no país e a efetiva geração de energia foi de 40,7%, enquanto a média mundial é de apenas 23,8%.

A matriz energética nacional fundamentalmente amparada nas hidrelétricas, vem dando espaço para novas alternativas, como a energia eólica. Respondendo por apenas 6,15% da produção, os 457 parques eólicos espalhados pelo Brasil têm geração de energia igual à capacidade da usina hidrelétrica Belo Monte. Até 2020, mais 287 parques vão operar e gerar mais 7 gigawatts de energia e, assim, garantir 10% do abastecimento de energia do país.

Imagem: CERNE

No Brasil, o Nordeste vem fazendo bonito quando o assunto é energia eólica. A região é responsável pela maior parte produção de energia eólica no país (80% dos parques se localizam no Nordeste), tanto que na última semana bateu recorde de produção de energia. Nesta última terça-feira (4), o Brasil produziu 6.704 megawatts, o suficiente para abastecer 3 milhões de consumidores por um mês inteiro. Esses quase 7.000 megawatts corresponde à 11,42% da produção total de energia no país (todas as fontes).

O grande diferencial do Nordeste, especialmente do litoral, está na força dos ventos que atingem essa área, que são rápidos e constantes, sem mudanças bruscas. Essa combinação favorável faz com que os geradores eólicos sejam mais eficientes ali do que em outros lugares.

Fonte: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE

Mas o que a energia eólica tem de tão especial? São diversas vantagens, mesmo em comparação com outros tipos de energias renováveis. Além disso, é uma componente importante de qualquer estratégia energética a longo prazo.

Imagem: SardiniaPost
  

As principais vantagens da energia eólica são: 

  • A energia gerada pelos ventos não se esgota, renovando-se sempre;
  • A utilização desse tipo de energia não produz resíduos poluentes, não emite gases de efeito de estufa (GEE) e nem gases nocivos ao meio ambiente e a sociedade;
  • Como é um tipo de energia alternativa, com baixo custo, há benefícios financeiros para os usuários;
  • A criação de usinas e parques eólicos gera emprego para muitas pessoas que buscam uma oportunidade no mercado;
  • O parque eólico pode facilmente ser implantado em áreas agrícolas e pastagens, sem nenhum empecilho para agricultores e pecuaristas;
  • A implantação dos parques eólicos leva investimento a regiões pouco desenvolvidas economicamente;
  • Com o emprego da energia eólica, não há dependência dos combustíveis fósseis (poluentes e não renováveis);
  • Os aerogeradores não necessitam de outros combustíveis para o seu funcionamento;
  • Os equipamentos requerem pouca manutenção (de 6 em 6 meses);
  • O retorno do investimento em energia eólica é rápido (cerca de 6 meses).

Como principais desvantagens, temos: a sua intermitência, ou seja, o vento não é constante, tornando difícil a integração da sua produção ao sistema nacional; impacto visual considerável, principalmente para os moradores do entorno; impacto sonoro, já que, o som do vento bate nas pás produzindo um ruído constante e; o impacto sobre as aves do local, principalmente pelo choque destas nas pás.


Imagem: DLR Portal

A entrada em operação de novos parques eólicos, em 2016, fez com que o Brasil saltasse para a 5ª posição no ranking mundial de expansão da capacidade instalada de geração eólica. Essa expansão reafirma o compromisso assumido pelo Brasil na COP 21 de aumentar a participação de energias ditas limpas (eólica, biomassa e solar) na sua matriz energética até 2030.
  
Imagem: Pinterest

Como resultado dessa expansão, o Brasil figura hoje como o 9º país com maior capacidade acumulada de geração eólica no mundo (10.740 MW), superando a Itália, e mantendo o primeiro lugar na América Latina.

Que os bons ventos no Brasil sejam sempre bem aproveitados!


Clique aqui para ler mais artigos de Leonardo Borges




0 comentários:

Postar um comentário